Aproveitar a altura é uma forma de contornar a falta de espaço em um armazém que fica pequeno

O que fazer quando o armazém ficar pequeno?

26 Outubro 2020

Um dos problemas mais comuns que um gerente de logística enfrenta é o que fazer quando o armazém ficar pequeno. O aumento dos preços no mercado imobiliário inviabiliza, em muitos casos em âmbito econômico, a expansão como solução para um armazém pequeno. No entanto, às vezes, a progressiva falta de espaço oculta uma gestão ineficiente.

No nosso artigo, analisamos as causas frequentes que geram a falta de espaço, propomos opções para aproveitar a superfície disponível e continuar a gerir um armazém que se tornou muito pequeno.

Sinais de que o armazém está ficando pequeno

Destacamos alguns dos sinais que indicam que o armazém está se aproximando do seu limite de espaço:

  • Ter mais de 85 – 90% da capacidade total de armazenagem ocupada continuamente: falar sobre o armazém estar cheio geralmente é uma faca de dois gumes. Embora do ponto de vista dos custos de armazenagem, o objetivo final seja aproveitar ao máximo as instalações, isso também pode reduzir a flexibilidade em suas operações. Com esse nível de ocupação, o armazém não será capaz de reagir a um ligeiro aumento no estoque.
  • Existem incidentes na gestão das referências: podem ocorrer porque um tipo de estante, uma referência específica está transbordando ou, porque outras áreas do armazém estão sendo utilizadas como espaço de armazenagem permanente improvisado (corredor, pré-cargas, área de manutenção, entre outras).
  • Aumentar constantemente o número de pedidos pendentes ou em atraso: são os pedidos que o armazém recebeu, mas que não podem ser atendidos devido a incompatibilidades de estoque. Isso afeta a taxa de cumprimento de remessa e aumenta os tempos de ciclo interno do produto.

Causas da falta de espaço no armazém

Os fatores que tornam o armazém pequeno podem ser muito variados. Os mais frequentes costumam estar ligados a mudanças comerciais, como boom de vendas, expansão internacional ou maior aquisição de mercadorias para fins comerciais.

No entanto, a falta de espaço de armazenagem também pode ser causada pelo surgimento de novos modelos de negócios digitais. Se sua empresa começar a gerenciar pedidos online e adotar um modelo omnichannel, o armazém terá que se adaptar, reservando espaço extra para um picking mais complexo e o gerenciamento intensivo de devoluções.

E se não for apenas uma questão de metros quadrados?

A má gestão das instalações também pode resultar em um armazém pequeno. Nesse sentido, destacamos duas das causas mais comuns:

  • Espaço mal distribuído ou layout do armazém desatualizado: normalmente, os armazéns são projetados considerando fluxos específicos de mercadorias, um determinado número de SKU ou referências com determinadas características. No entanto, com cadeias de suprimentos cada vez mais voláteis e níveis de serviço exigentes, a mudança pode ocorrer mais cedo do que o esperado. O resultado é que a distribuição de espaço no armazém se torna desatualizada à medida que o mercado avança mais rápido do que a própria infraestrutura física.
  • Excesso de estoque de mercadorias: é comum as empresas priorizarem os produtos com maior giro em suas políticas de compras. No entanto, a efervescência das vendas de produtos A (alta rotatividade) pode prejudicar o armazém se o espaço reservado para eles não for otimizado. Também é possível que ocorra o contrário: excesso de mercadoria com pouca rotação devido a estoques de segurança superdimensionados ou porque a previsão de vendas sofreu desvios (efeito chicote).

Ideias para maximizar o espaço atual do armazém

A forte demanda por espaço de armazenagem nos últimos anos fez subir os preços dos terrenos, especialmente em torno de grandes áreas urbanas. De fato, nos Estados Unidos, a disponibilidade de armazéns está em seu ponto mais baixo desde 2000, com apenas 7% das vagas oferecidas (3 pontos a menos que em 2014), segundo dados da imobiliária CBRE. Na Espanha, algo semelhante acontece nos principais polos logísticos do país (Madrid, Barcelona e Valência), segundo reportagem de Savills Aguirre Newman.

Portanto, se expandir ou mudar para um armazém maior não for uma opção, como podemos obter mais dos medidores que temos?

- Redesenhar a planta do armazém que está pequeno e avaliar as possibilidades de automatização

Organizar o plano de um armazém pequeno é um trabalho de pura precisão. O primeiro passo para desenhar o layout de um armazém é medir exatamente o espaço de trabalho real disponível, subtraindo a área ocupada por elementos arquitetônicos como colunas, paredes, portas... A partir daí, a análise recai sobre o estoque: é fundamental saber quais produtos estão se movendo (número de SKUs, volume e peso), para onde eles se movem na instalação e com que frequência (fluxos de entrada e saída do depósito).

Este estudo é necessário para avaliar alternativas que consigam articular o espaço disponível em um armazém com dimensões reduzidas. Uma solução que dá muito bons resultados é automatizar parte da operação, em especial, aquela que registra o maior número de repetições e se mantém estável ao longo do tempo.

Nesse sentido, sistemas automáticos como miniloads ou transelevadores para paletes permitem concentrar referências e eliminar o espaço dedicado aos corredores. Por exemplo, a Mecalux projetou um armazém automático para Trumpler com capacidade para 2.512 paletes em apenas 840 m² de superfície.

- Avalie outros sistemas de armazenagem alternativos

Aumentar a densidade de armazenagem ajustando o tipo de estante é outra opção que resolve o fato de o armazém ser pequeno em relação ao número de ciclos. Os porta-paletes convencionais apresentam grandes vantagens em termos de acessibilidade às mercadorias, mas atingem uma densidade de armazenagem inferior à dos sistemas de armazenagem compactos.

Hoje existe uma grande variedade de estantes compactas, sejam eles sistemas dinâmicos ou standard, que permitem operar com diferentes níveis de movimentação de mercadorias. Além disso, como vemos no caso do armazém da Aceites Toledo, sua combinação com o Pallet Shuttle significa que a produtividade do armazém não é afetada.

Estantes compactas e Pallet Shuttle foram a solução para o armazém Aceites Toledo

Estantes compactas e Pallet Shuttle foram a solução para o armazém Aceites Toledo

- Melhorar a gestão de estoque com um WMS

Um armazém pequeno pode ser muito complexo do ponto de vista do gerenciamento de estoque, da mesma forma que um armazém pode se tornar muito pequeno devido à má gestão do estoque. O software de gerenciamento de armazém é essencial para resolver ambas as situações e obter a máxima da capacidade de armazenagem.

Um sistema de gerenciamento de armazém como o Easy WMS organiza os movimentos da mercadoria e registra os dados em tempo real. Como isso ajuda a otimizar a capacidade de armazenamento? O WMS permite:

Ajuste os critérios de localização de estoque: esse software é essencial para o gerenciamento eficaz do espaço. Só com ele, por exemplo, é possível implementar um sistema de armazenagem aleatória que limita ao máximo os espaços vazios. Desta forma, aumenta-se a capacidade efetiva do armazém mantendo a agilidade nas operações, uma vez que o WMS organiza de forma otimizada os fluxos de trabalho dos operadores.

Acelere a realização de inventários para detectar produtos obsoletos ou incompatibilidades de registros de SKU.

Gestão de reposição coordenada: desde o departamento de compras pode-se programar a reposição de estoque de forma mais próxima à disponibilidade de espaço, evitando sobrecarregar a instalação.

Adicione metros cúbicos ao armazém

No quinquênio 2012-2017, o tamanho médio dos galpões construídos aumentou mais de 140% nos Estados Unidos, segundo dados da imobiliária CBRE. Mas como um armazém pode crescer em metros cúbicos?

Ao optar pela construção de armazéns autoportantes: as estantes constituem a estrutura do próprio edifício e, em combinação com os sistemas automáticos, podem ser erguidos armazéns que ultrapassam os 40 metros de altura.

Equipar o armazém com estantes mais altas: deve-se considerar o impacto que terá nos equipamentos de movimentação — por exemplo, as empilhadeiras — e no picking.

Adição de mezaninos: no armazém de manutenção da Saint-Gobain, por exemplo, o espaço superior das docas de carga foi utilizado para instalar um mezanino para produtos de pequenas dimensões.

Contratação de armazéns temporários, se a falta de espaço for consequência de uma sazonalidade acentuada, como a que ocorre na logística do e-commerce.

Os pequenos armazéns clad-rack aproveitam cada milímetro para alcançar maior capacidade

Os pequenos armazéns clad-rack aproveitam cada milímetro para alcançar maior capacidade

O desafio de viver com falta de espaço de armazenagem

A internacionalização e os novos hábitos de consumo criaram cadeias de suprimentos complexas que exigem mais espaço de armazenagem em todos os níveis. As perspectivas futuras indicam que essa tendência continuará e será normal que o armazém fique pequeno de vez em quando.

Se detectou que o seu armazém tem cada vez mais dificuldades em responder com eficiência às necessidades de espaço, entre em contato conosco, ​​analisaremos sua situação e o ajudaremos a otimizar o armazém.