Por que o 5G revolucionará a indústria

19 Julho 2022

O 5G revolucionará o uso da robótica na indústria 4.0, melhorando o desempenho dos armazéns e contribuindo para criar operações mais seguras. Se a globalização mudou a forma de entender os negócios, agora a indústria vai um passo além com o 5G graças a uma interconexão total entre máquinas, mercadorias e pessoas.

Neste artigo, além de analisarmos o que é o 5G, avaliaremos como será o processo de adaptação dessa tecnologia e, especialmente, seus benefícios para a indústria.

O que é o 5G? Definição e vantagens dessa tecnologia

O 5G é a quinta geração de comunicação móvel, de acordo com o padrão IMT-2020 definido pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). Constitui, portanto, uma evolução do 4G, a tecnologia utilizada atualmente na transmissão de dados entre dispositivos inteligentes.

Qual a diferença entre o 5G e o 4G? Principalmente, a velocidade na troca de dados. De acordo com as primeiras implementações de empresas de telecomunicações como a Vodafone (na Europa), Verizon (nos EUA) ou EE (no Reino Unido), os dispositivos 5G atingem velocidades de conexão que são de 10 a 20 vezes mais rápidas em relação ao atual 4G.

Mas, tão importante quanto o aumento de velocidade é a redução da latência, ou seja, o tempo necessário para que um pacote de dados comece a ser transferido na rede. O que o 5G promete? Reduzir esse período de tempo para um intervalo que se situa entre 1 e 2 milissegundos, 90% a menos em comparação com o 4G.

Portanto, o 5G otimizará o fluxo de operações da cadeia de suprimentos na indústria 4.0 ao estabelecer uma comunicação com a máxima velocidade, e de forma segura, entre os diferentes dispositivos industriais conectados à rede.

Qual o impacto da entrada do 5G na logística?

Atualmente, quando a fiação não é uma opção, os elementos automatizados de um armazém utilizam a tecnologia Wi-Fi ou bluetooth, o que normalmente implica interferências e conexões inseguras entre dispositivos.

O 5G permitirá que os dispositivos enviem dados através da internet de forma rápida e sem falhas. O que reforçará a privacidade e agilizará a troca de informações na instalação.

Além disso, o 5G revolucionará a produtividade no armazém, pois uma redução da latência na conexão entre operadores e elementos robotizados significará:

  • Mais ciclos/hora: uma rede mais veloz implicará que os elementos mecanizados do armazém tenham um melhor desempenho.
  • Redução de custos operacionais: a segurança do 5G fará com que os erros nas operações do armazém decresçam, economizando custos desnecessários para as empresas.

Nos armazéns onde se utiliza voice picking ou se trabalha com terminais de radiofrequência, a menor latência de dados garantirá um aumento de picks por hora. Isso levará a um aumento da produtividade do operador, gerando um maior benefício para a empresa.

O 5G agregará valor ao gerenciamento das mercadorias em trânsito: a integração de todos os elementos da cadeia de suprimentos permitirá tomar decisões críticas tendo mais informações, tal como a escolha de rotas em tempo real.

De fato, o transporte será um dos elementos da cadeia de suprimentos mais afetado pela entrada do 5G: de veículos sem motorista a drones, o 5G abre as portas para um mundo de possibilidades nesse âmbito.

Em 2025 haverá mais de 50.000 armazéns robotizados em todo o mundo
Em 2025 haverá mais de 50.000 armazéns robotizados em todo o mundo

5G: bem-vindos à era da robótica

O 5G consolidará, definitivamente, a robótica no armazém. Um estudo da consultora norte-americana ABI Research conclui que a automação dará um salto na próxima década, com uma previsão de 50.000 armazéns robotizados em 2025, atualmente existem 4.000 em todo o mundo.

Estima-se que mais de 4 milhões de robôs operem no setor logístico no próximo decênio. O 5G garantirá a conexão instantânea e a segurança entre todos os elementos que formam o armazém.

De fato, objetos já integrados atualmente aos processos logísticos, tais como braços de picking, transelevadores ou terminais de radiofrequência, comprovarão como o 5G permite que suas funções sejam mais eficazes, flexíveis e seguras.

Portanto, a entrada em vigor da tecnologia 5G traz duas grandes melhorias para a logística industrial:

  • Redução de riscos ocupacionais: a aplicação do 5G significará, graças ao aumento da velocidade de dados e à redução da latência, a consolidação dos robôs colaborativos ou cobots no armazém, o que maximizará a segurança dos operadores.
  • Redução de custos logísticos: as vantagens do 5G permitirão criar equipes especializadas que não precisarão se deslocar ao armazém para poder controlar a maquinaria. Isso permitirá economizar custos para as empresas.

‘Big data’: agora como podemos aproveitar o volume das informações?

O 5G abre as portas para muitas possibilidades na comunicação entre todos os elementos que constituem a cadeia logística: a rapidez do 5G reforçará a conectividade no armazém, o que aumentará o volume das informações e dados gerados em cada passo da cadeia de suprimentos.

A interconexão de toda a operação do armazém em uma mesma rede potente e segura facilita a integração das diferentes partes da cadeia de suprimentos, garantindo a rastreabilidade completa da mercadoria.

Afinal, com a entrada dessa tecnologia se consolidará a robotização do armazém através de redes confiáveis e de baixa latência. Dessa forma, se garantirá um melhor desempenho dos elementos mecanizados do armazém e se reduzirá o número de erros nas operações realizadas no mesmo.

Através das ferramentas adequadas, o big data permitirá à logística antecipar-se às tendências do mercado, detectar erros nas operações, introduzir soluções na cadeia de suprimentos e, evidentemente, detectar novas oportunidades de negócios.

Todas essas informações criadas no armazém colocam a logística 4.0 diante de outro desafio: como analisar o enorme volume de dados gerados a partir da interconexão de todos os elementos visando otimizar os processos operacionais na instalação?