O armazém é a espinha dorsal da supply chain

O que é a supply chain ou cadeia de suprimentos? Definição e diferenças com a logística

17 Julho 2020

A cadeia de suprimentos ou supply chain, em inglês, é o processo gerado a partir do momento em que o cliente faz um pedido até o momento em que o produto ou serviço é entregue e pago. Portanto, a supply chain compreende o planejamento, execução e controle de todas as atividades relacionadas ao fluxo de materiais e de informações desde a compra de matérias-primas até a entrega final do produto ao cliente, passando por sua transformação intermediária.

Consequentemente, podemos definir a cadeia de suprimentos como o conjunto de etapas e redes que são tecidas a partir da origem do produto até chegar ao cliente final. Essa cadeia é composta por diferentes fornecedores e empresas que vão abastecendo o próximo elo da cadeia.

Atualmente as cadeias de suprimentos possuem uma grande complexidade devido à internacionalização, ao aumento dos tipos de fluxos e às mudanças ocorridas nos modelos de consumo global.

Etapas do supply chain ou cadeia de suprimentos

As principais etapas da cadeia de suprimentos são três:

  • Abastecimento: refere-se a "como", "onde" e "quando" as matérias-primas são conseguidas e fornecidas para a fabricação dos produtos.
  • Produção: compreende a fabricação a partir das matérias-primas dando como resultado os produtos acabados.
  • Distribuição: etapa responsável pelas atividades que permitem que os produtos cheguem ao seu destino final. Isso é possível através de uma rede de distribuidores, armazéns, lojas físicas ou plataformas online (se o negócio for um e-commerce).

A cadeia de suprimentos também é conhecida como cadeia de valor, uma vez que tal como o próprio nome indica os produtos vão adquirindo um maior valor à medida que vão avançando através de seus elos. Um dos principais núcleos de sua estruturação é o armazém, que envolve a tão importante logística de armazenagem.

O diagrama mostra as diferentes etapas da cadeia de suprimentos ou ‘supply chain’
O diagrama mostra as diferentes etapas da cadeia de suprimentos ou ‘supply chain’

Diferenças entre supply chain e logística

Já vimos a definição de supply chain, mas: o que é a logística? Como se relaciona com a cadeia de suprimentos? Em geral, poderíamos dizer que a cadeia de suprimentos se refere ao fluxo completo seguido por um produto até sua venda. No entanto, a logística faz parte da cadeia de suprimentos focando especificamente na armazenagem de produtos, em seu transporte e distribuição.

Dessa forma, a logística é a área empresarial responsável por fazer com que o produto correto chegue ao destino indicado no prazo estabelecido, nas quantidades exatas e com o custo e a qualidade exigidos. Tudo isso em consonância com as condições que foram previamente combinadas com o cliente.

Se pegarmos um exemplo simples, como uma loja de móveis, a logística desse tipo de negócio estaria focada em adquirir os diferentes tipos e modelos de móveis para expô-los no estabelecimento, além dos já encomendados pelos clientes. Esses serão depositados no armazém até seu transporte. O responsável por logística da loja elaborará as rotas de distribuição dos móveis considerando as tarefas de montagem no momento da entrega ao cliente final.

No entanto, se pensarmos na cadeia de suprimentos do móvel teremos que retornar a todas as etapas pelas quais o produto passou desde sua origem, ou seja, a extração da própria madeira, sua transformação em chapas e peças na fábrica de móveis, a posterior distribuição aos pontos de venda e o transporte final até o domicílio dos clientes.

Na seguinte tabela podemos observar as diferenças entre logística e supply chain:

Gestão da cadeia de suprimentos Gestão logística
Definição Trata-se do processo global de fornecimento de um produto. Refere-se à colaboração entre fabricantes, fornecedores, distribuidores, parceiros comerciais e consumidoresTrata-se de um tópico da cadeia de suprimentos e abrange a gestão do armazém e dos fluxos de transporte internos e externos desde o abastecimento até a entrega final
Objetivos Conseguir a máxima competitividade no mercado e otimizar os benefícios Conseguir a satisfação do cliente através da perfeita gestão do pedido
Empresas envolvidas Geralmente várias organizações participam de uma mesma cadeia de suprimentos Pode ser gerenciada integralmente a partir da própria empresa
Relação entre ambas A cadeia de suprimentos se refere ao ecossistema completo, ao conjunto de processos resultantes em um produto A logística ocupa uma parcela de operações que faz parte da cadeia de suprimentos
Áreas empresariais envolvidas Inclui mais áreas, tais como: desenvolvimento de produtos, controle de qualidade, serviço ao cliente, atividades logísticas… entre outras Principalmente, armazenamento, transporte e gestão do estoque

Tendências na gestão da cadeia de suprimentos ou supply chain 4.0

As cadeias de suprimentos estão voltando-se para um ecossistema logístico que se caracteriza por ser mais rápido, mais flexível, mais personalizado, mais preciso e mais eficiente. Como já vimos em nosso artigo sobre logística 4.0, as novas tecnologias digitais e a robotização estão moldando um novo conceito de supply chain. Quais são os elementos que definem o conceito de supply chain 4.0?

1. Necessidade de tecnologia para a captura e gestão de dados

Com cadeias de suprimentos cada vez mais extensas e complexas, a gestão das informações se converteu em um elemento essencial para lidar com as demandas do mercado. Nesse sentido, é essencial garantir:

  • A precisão dos dados na gestão de estoque: cada vez há mais referências armazenadas ou SKU, por isso contar com dados de inventário exatos permite não só otimizar os estoques no armazém, como também garante um nível de serviço à altura, evitando as indesejáveis rupturas de estoque. Isso se consegue graças ao uso de um software do armazém que facilite o controle de estoque.
  • A rastreabilidade das mercadorias: ao percorrer cadeias de suprimentos globais, a rastreabilidade logística revelou-se um complemento de controle excepcional para gerenciar o fluxo de materiais tanto internos quanto externos. Manter um sistema de rastreabilidade só é possível graças à tecnologia de etiquetagem com códigos de barras ou RFID, aos dispositivos de captura de dados e ao software que gerencia as informações compartilhadas no supply chain.
  • Um monitoramento exaustivo de KPI: programas como o Supply Chain Analytics Software de Mecalux possibilitam o monitoramento de toda a atividade que ocorre no armazém e sua relação com os demais elos da cadeia de suprimentos para que tais operações não representem um freio nos fluxos intralogísticos.

2. Maior integração entre os diferentes elementos envolvidos no supply chain

A estratégia de seleção de parceiros na cadeia de suprimentos está cada vez mais focada em eliminar as barreiras entre fornecedores e estabelecer uma relação baseada na cooperação.

Isso se consegue mediante a padronização de processos e do planejamento de atividades conjuntas. O uso de um software avançado para a gestão das informações é imprescindível para deixar de operar separadamente e abordar a supply chain de forma mais global.

A coordenação do transporte no ‘supply chain’ é imprescindível para otimizar as operações
A coordenação do transporte no ‘supply chain’ é imprescindível para otimizar as operações

3. Estratégias de automatização de processos para uma maior precisão e rapidez

A automatização industrial que já é aplicada aos processos de fabricação e transformação de produtos deu um salto no âmbito do supply chain estando presente nas diferentes áreas da logística:

  • Gestão da atividade no armazém: os Sistemas de Gerenciamento de Armazém facilitaram a organização da atividade e do inventário disponível em instalações cada vez mais complexas. Nesse sentido, destaca-se seu papel na otimização das tarefas de preparação de pedidos junto a dispositivos como o picking por voz e o picking por luz. Tudo isso aumentou os índices de picking por hora e por operador eliminando praticamente todos os erros.
  • Transporte automatizado de cargas em processos intralogísticos: o deslocamento de mercadorias costuma estar na mira dos projetos de automatização, dadas as grandes vantagens que representa. De fato, atualmente os armazéns robotizados utilizam todos os tipos de sistemas automáticos para acelerar o fluxo de materiais e ganhar segurança nas instalações.
  • Gestão das rotas de transporte: o software de gerenciamento de frotas de transporte é essencial para coordenar a distribuição das mercadorias entre os diferentes pontos do supply chain. Esses sistemas permitem organizar as rotas dependendo de parâmetros logísticos como os prazos de entrega e também contemplam estratégias como a consolidação das mercadorias ou unitização.

A gestão eficaz do supply chain não pode ser concebida sem a otimização da logística das empresas. Como vimos, ambas estão mais inter-relacionadas do que nunca e seus objetivos devem estar alinhados para que contribuam a favor da rentabilidade da empresa. A Mecalux pode ajudá-lo a determinar e atingir seus objetivos logísticos a partir da gestão do armazém: não hesite em entrar em contato conosco.